Ser Pensante

Ser Pensante
"Todo homem honesto deveria tornar-se filósofo, sem se vangloriar em sê-lo." Voltairé

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível

    Acreditar?

     Mudança?

     Revolução?

    O grande mestre Paulo Freire pede que eu tenha alguma esperança. Mais do que isto, incita a mim, seu leitor, que eu acredite que o rapaz que está ao meu lado dentro do ônibus, com um aparelho que emite algo que não ouso nem chamar de som  que profere frases do tipo:


"...é melhor não falta com respeito
suja o meu nome perante a favela
que eu te deixo esticada no chão
do tiro na sua mão e quebro suas pernas
eu vo ti levar pro microondas mais antes eu rasgo
seu corpo na bala 
pra família te reconhecer,
só mesmo no exame da arcada dentária ."



  Ah Paulo Freire! Peças para que eu acredite que este indivíduo como aluno, tenha conhecimento, anseio, vontade, esforço e boa fé para caminhar juntamente comigo, professor, em prol de melhores condições para o desenvolvimento da educação no país em que vivemos, eu e ele? Mas, devo confessar que, seu pedido me intriga. Pois penso que, tal pedido soa amor, afetividade, tolerância, humildade e uma pontinha de inconformismo e resposta ao sistema como está posto.

   Grande mestre! Sábias palavras que vem de encontro ao meu desespero no momento mais oportuno. Às 8 da manhã, em meio à todos os sons da cidade de São Paulo e sua agressividade peculiar, que me fazem ter alguma esperança de que este indivíduo ao meu lado, venha ser um agente transformador desta realidade que me cerca e me perturba.

" O mundo não é. O mundo está sendo. Como subjetividade curiosa, inteligente, interferidora na objetividade com que dialeticamente me relaciono,meu papel no mundo não é só o de quem constata o que ocorre mas também o de quem intervém como sujeito de ocorrências. Não sou apenas o objeto da História, mas seu sujeito igualmente. No mundo da História, da cultura, da política, constato não apara me adaptar mas para mudar."
(FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Paz e Terra, p.76)

    Sim! Me convencestes de que ensinar exige a convicção de que a mudança é possível. E ensinar não pode e não deve estar ligado só às quatro paredes daquilo que ainda insistem em chamar de escola.